17 setembro, 2017

Os dias de aniversário são para serem respeitados


Sobre a minha já sentida ausência, em dia próximo, virei explicar. Hoje apareço para vos dizer que os dias de aniversário são para serem respeitados e ontem foi um. Respeitados não por obrigação, mas como um valor. São uma forma de dar coesão à família.
E foram assim, sete anitos. Bonitos ___________________________________

Pronto, a pedido da Janita:

10 setembro, 2017

Brainstorming - Pergunta de escolha múltipla - III


Vamos lá a ver quem acerta. A imagem foi recolhida de um vídeo que circula na campanha das redes sociais de um dos candidatos (muito vistos) que chama a si louros de todos os pelouros e afirma o que consta em destaque. 
A pergunta é seguinte:
Olhando as contas, dá o exercício do mandato, resultados em ganhos (diria lucro, se fosse privado) de mais de 60 milhões de euros. Não tendo dobrado o investido, estará a pensar:
1 - Dar benesse a quem o substitua     2 - Granjear lugar no sector privado
3 - Que podia ter triplicado as transferências de verbas para as Freguesias
4 - Não está a pensar coisa nenhuma, pois pensar faz-lhe doer a cabeça

09 setembro, 2017

Brainstorming - Pergunta de escolha múltipla (só para quem tem filhos numa escola de Oeiras) - II


Vamos lá a ver quem acerta. A imagem foi, mais uma vez, recolhida numa escola básica, algures em Oeiras, sede de um Município que gastou (afirma o edil, em campanha) uma "pipa de massa" na requalificação das escolas.
A pergunta, desta vez, é diferente:

O terreno (destinado a recreio) ocupa cerca da metade da área, a um nível mais elevado, está disponível e não tem relvado, porque: 
1 - Está destinado a "Horta Comunitária"  2 - Os putos precisam é de correr
3 - Há falta de assistentes operacionais      4 - A autarquia está a decidir

(como o terreno está assim há muito tempo, ignora-se quando haverá a resposta exata)

08 setembro, 2017

Brainstorming - Pergunta de escolha múltipla (só para quem tem filhos numa escola de Oeiras)


Vamos lá a ver quem acerta. A imagem foi recolhida numa escola básica, algures em Oeiras, sede de um Município que gastou (afirma o edil, em campanha) uma "pipa de massa" na requalificação das escolas.
A pergunta é a seguinte:
Se houve o cuidado de até ser pintado e não ser removido, para que serve o buraco na caleira?
1 - Para aproveitar a água  2 - Para dar aulas sobre resistência de materiais
3 - Para servir de duche     4 - Não serve para nada, a caleira será arranjada

(só teremos a resposta dia 13, dia abertura das aulas)

05 setembro, 2017

AVANTE!.. A ameaça

Falemos então da ameaça...

O que mais ameaça, de hoje em diante, a Festa do Avante, é se a moda pega... Ora vejam só...


(acabo de ligar aos serviços comerciais da marca a dissuadi-los de nos contratar para um anúncio publicitário - mas lá que o gelados eram bons...)

04 setembro, 2017

AVANTE! Três momentos altos e uma ameaça


Falar da Festa..."Só" falta estendê-la cidade a cidade e alargá-la do Minho ao Algarve. Mas o impossível é tão só e apenas aquilo que ainda não aconteceu
Valeu? E cabe aqui a tal minha frase batida:
mudar o mundo não custa muito, leva é tempo...
Quanto ao meu plano, ele foi cumprido e alargado. Do todo, falemos então dos pontos altos, com fotos a ilustrá-los:


Excelente, no sábado (Avanteatro). Excelente (pelo texto e encenação) e impressionante (pelo desempenho, hora e meia em palco num irrepreensível monólogo, é obra).


António Zambujo não estava no meu plano. Ocorreu-me quando estava num outro ponto alto, saboreando um bom prato alentejano a que os menos conhecedores da nossa gastronomia insistem em chamar gaspacho.


Ponto alto, que deve ser (integralmente) lido... 
Estes foram os momentos mais altos.
E qual é a ameaça? Depois vos digo!

01 setembro, 2017

AVANTE! (amanhã é que vai ser!)...

Ultimados compromissos, amanhã é que vai ser... e será como sempre tem sido, mas com renovado programa. Vai ser assim:
  1. Começo por circular com aquele ar de basbaque onde coloco um sorriso... e com ele percorro as ruas onde se desenvolve a FESTA (desenvolver = crescer). É a minha fase de "Animação de Rua"
  2. Já anotei, às 17h30, na "Festa do Livro"
  3. Quando acabar, ir-me-ei sentar no "Café Concerto" onde nós não procuramos nada e tudo vem ter connosco (nem olho para o programa)
  4. Se houver um "tempo morto", aproveito e como (ou então faço-o se estiver a "morrer de fome")
  5. Nada programado. Espero que o Bruno me aconselhe até que a meia-noite chegue... as hipóteses de escolha é farta, como se comprova aqui
  6. Chegada a hora, vou cumprimentar o "Lenine"
Quando regresso? Programar, sim! Mas tanto, não!

31 agosto, 2017

Resposta a uma mensagem preocupada

Jornada de trabalho - Agosto de 2016
Dei por ter sido longa a minha ausência quando há pouco recebi uma missiva que rezava assim:
«Olá, Rogério!
Calculo que andes cheio de trabalho com a construção da Festa, a pré-campanha e todo o restante trabalho partidário, mas confesso que seis dias de ausência de publicações no Conversa Avinagrada me deixaram preocupada. Quebraste um padrão e as quebras de padrões não são nada habituais em ti. Está tudo bem contigo e com a tua família?
Abraço grande.»
Resposta pública, neste espaço:
«Olá, Maria João! Tens razão em estranhares este silêncio de rimas, metáforas e ironias. Sinto que não devia ter deixado este espaço por tanto tempo, mas o tempo é cada vez mais um recurso escasso - quanto mais o queremos e falta nos faz, menos o temos...
Este ano não fui dar prática ao tanto aprendido na Quinta da Atalaia. Nem despreguei um prego. Nem fui escolher telas, estrados e tábuas. Nem fui entregador de martelos ou abastecedor de pregos. Nem fui limpador de fogões. Nem experimentador de esquentadores. Nada. Este ano fui tocado por outras tarefas: Fotografo; Assistente de realização, operador de imagem, editor e produtor de vídeos; Designer  gráfico, paginador, produtor de conteúdos, compositor de texto e revisor. Em três meses, mais de uma centena de páginas (algumas prontas a dar entrada na tipografia), dava um livro. Falarei delas em dias seguintes. 
Ah!, esquecia-me de te dizer que sou candidato algo a que tenho de entregar todo o tempo. O que sobra, já te descrevi como o aproveito.
Quanto à família, tudo bem.
Obrigado pelo teu cuidado. Abraço»
Imagens de apresentação da minha candidatura... e há aqui outras mais...

25 agosto, 2017

O debate...

"Oeiras tem sido falada nos últimos anos por maus motivos!"

E Heloísa falou pouco sobre isso mas o suficiente para se perceber que não é fazendo as mesmas coisas que se obterão resultados diferentes!
(ver resumo)

23 agosto, 2017

É que é já amanhã...


É que é já amanhã, que um candidato virá a correr, saltando do outdoor mais próximo do "estúdio da TVI 24" e irá responder ao que a Judite lhe perguntar...

É que é já amanhã, que outro candidato virá nas calmas lá da Assembleia Municipal da Amadora botar "faladura" com fartura desde que a Judite lho permita...

É que é já amanhã, que outro candidato interromperá o uso do truque de usar o facebook para misturar gestão com campanha e ir tentar demarcar-se de ter sido "vice"

Pois... e é também amanhã que a Heloísa marcará a diferença!
(a menos que algo de anormal aconteça)

10 agosto, 2017

A Heloísa e a sua não notícia


Procurei a tal "não notícia" da Heloísa. Pesquisei no "motor de busca". Depois de várias tentativas falhadas voltei a tentar limitando-me a colocar nomes. Depois cliquei em "imagens" e saíram estas

Não há dúvida: o que disse a Heloísa é, para a imprensa, uma "não notícia". E o que disse ela? 
"O concelho de Oeiras tem problemas estruturais que nenhum executivo camarário entendeu resolver até à data (como o das suas assimetrias territoriais ou como a lástima da rede de transportes públicos) e é lamentável que, por uma razão ou por outra, este município continue permanentemente a ser falado por razões de ordem judicial, que acabam por abafar, na ordem de discussão dos problemas, aqueles que verdadeiramente importa discutir e solucionar"

08 agosto, 2017

Vai ser uma campanha atribulada... mas, por enquanto, "no pasa nada"


Ia a sair, com a pressa de sempre, quando o telemóvel tocou a dar a notícia. Ouvi-a e, como resposta, apenas lhe disse (embora por outras palavras) "no pasa nada". 
No decurso da reunião do "executivo" todos os telemóveis tocaram uns a dar, outros a comentar a notícia e outros ainda para saber o que nós iríamos dizer... 
Mas que dizer para além de um "no pasa nada"?


Isto é, "no pasa nada" até que alguma coisa se passe!

02 agosto, 2017

Um dia em cheio... e amanhã vai continuar!


Um dia em cheio... e não julguem que o Gabriel estava deslocado a olhar para o lado... só à conta dele foram meia dúzia de golos... em casa repetiu a massa e comeu a sopinha (quase) toda...

31 julho, 2017

Agora as ditaduras constroem-se votando? (Se me não engano a maior riqueza da Venezuela é o povo venezuelano)


Ela estava desolada por se ter deixado intimidar. Em 1998 Chávez foi eleito com 3.673.684 votos e mais o voto dela; em 2006 com 7.309.079 e mais o voto dela; em 2012 com 7.444.061 e ainda com o seu voto, em 2013 Maduro foi eleito com 7.505.337 e ela em Maduro votou .
Agora foram votar mais de 8 milhões e ela ficou em casa, acagaçada... e foi seguir o link, ver os vídeos que lá estão e bebeu a xícara inteira. Ficou-lhe o remorso e uma tremenda bebedeira!
______________

El Poliedro de Caracas fue uno de los centros que recibió gran afluencia de votantes.

El Poliedro de Caracas fue uno de los centros que recibió gran afluencia de votantes. | Foto: AVN



30 julho, 2017

Entre as imagens há um elemento comum: a mão criminosa que lhe origina a causa!

A primeira imagem é da Síria, mas podia ser do Iraque ou da Líbia
A segunda é dos fogos de Pedrógão, mas podia ser de qualquer outro lugar, a arder.
A última imagem é da Venezuela.

Elas têm, embora em lugares distantes, coisas em comum, nomeadamente o serem desencadeadas por interesses económicos e terem, como agentes locais, mãos criminosas...

Sobre a Venezuela proponho-lhe um vídeo, ou simplesmente que continue atento...

27 julho, 2017

E pronto, agora compete ao Tribunal...

Descubram-me! Onde estou eu?

A CDU – coligação PCP-PEV – entregou hoje, dia 27 de julho de 2017, no Tribunal de Oeiras, as suas listas de candidatos para as próximas eleições autárquicas (e lá no meio estava eu).
A CDU foi, assim, a primeira força política no concelho de Oeiras a formalizar a entrega das suas candidaturas aos diferentes órgãos autárquicos do município e freguesias.

26 julho, 2017

Espaço e Memória - Associação Cultural de Oeiras


No regresso às "Conversas em Noites de Verão" não podia faltar. À entrada, era apresentado como candidato e interroguei-me se não preferiria que fosse apresentado por aquilo que mais me liga àquela organização que promove saborosas e animadas tertúlias. O tema que enquadra estas Conversas é "A Água em Oeiras (História - Arte - Gestão Pública)".
Por razões conhecidas não estarei em todas, mas no tema "Gestão Pública da Água em Oeiras" não faltarei...

A sessão foi o que costuma ser: uma boa incursão histórica à região saloia onde as lavadeiras-de-rio eram mais de 20% da ocupação das gentes trabalhadoras... Jorge Miranda, continua em forma!

24 julho, 2017

Teresa Morais e a sua confiança na Tomar TV!


(Acho que isto está uma confusão, afinal a tal imprensa de referência que aqui que devia ser referida era "O Expresso". Pelo equivoco, peço a Vossa compreensão)

23 julho, 2017

Qual "V" qual quê? Somos (só) dois!


Ontem, sábado,no Jardim Municipal de Oeiras
O gesto começa a acompanhar-me tão insistentemente que até me apoquenta a ambiguidade. Não, não é (mais um vez) qualquer ante-visão de vitória, com uso de linguagem gestual. Estava nesse momento a dizer que, na Assembleia de Freguesia, somos só dois os eleitos pela CDU e que para dar a volta a tanta trapalhada é necessário que sejamos mais ( e seremos!)

21 julho, 2017

19 julho, 2017

O comércio local, a Heloísa e a "Gatafunho"



A "Gatafunho" é um mundo. Tinha visitado a loja, no centro histórico de Oeiras, algumas semanas antes de ir encontrar um stand seu na Feira do Livro. 
A "Gatafunho" está num local  de Oeiras que vai definhando, mas ainda lá está. A "Gatafunho" tende a ser um espaço que vale pelo que faz e para onde for já muita gente lhe vai atrás. A "Gatafunho" parece ter deixado de depender do lugar onde está, mas o lugar onde está (o centro histórico) depende muito da "Gatafunho" pois leva lá gente. A "Gatafunho" leva gente ali e também a loja ao lado e aquela outra, e a outra. O mercado? Ah, o mercado confrontado com mais uma superfície comercial a menos de 800 metros (Quinta dos Inglesinhos) está condenado. 
E a "Gatafunho"? Salva-se? Sobrevive? Quem sabe? Quem Sabe? 
Se o comércio local se salvasse teria vida eterna a "Gatafunho"!

14 julho, 2017

Qual "V" qual quê? São dois!


Qual quê? Não, não é um "V" (uso mais o punho erguido)!
A imagem (é só contar pelos dedos), referia-se a dois apontamentos deixados, ontem em Paço de Arcos :
  • o primeiro, lembrando uma Lei que aniquilou mais de 1000 freguesias e criou este "monstro" de uma união de três freguesias, em que Oeiras nada tem a ver com Paço de Arcos e em que Caxias reclama cultura própria. Todas somadas, são cerca de 60 mil almas  a que correspondeu uma redução de eleitos (eram 21, hoje são 7). Adeus proximidade, dizemos nós. Território ingovernável, diziam eles sem nada fazerem para que tal constatação tenha sido consequente e a situação se tenha invertido;
  • o segundo apontamento deixado  tem a ver com recursos. Não falei muito (ouvir também cansa). Fiz comparação com Loures que transfere para as freguesias quase 8% do orçamento, Lisboa cerca de 10% e Oeiras apenas 0,8%... isso, menos de 1%!
Heloísa apenas sorria  pela ironia com que o dizia... 

12 julho, 2017

SATU, SATU, para que nos servirias tu?


Isaltino continua a apostar no elevador deitado. Defendeu e continua a defender aquilo que só acumulou prejuízo. Em 2010 já a imprensa denunciava a falência (17milhões de acumulo de prejuízo).

E dizia alguém que me é próximo: "100 lugares de pé e 6 sentados? Está tudo dito! O que Oeiras precisa é de transportes públicos com qualidade!"

09 julho, 2017

Isaltino podia ter desmentido...


As redes sociais servem para tudo e há gente com perfis mal-paridos que sabem disso e isso usam sem rebuço nem ética. Só que há perfis mal-paridos que são paridos para avançar com aquilo que os perfis oficiais não teriam a coragem de avançar.

Este post seria escusado se Isaltino se tivesse demarcado de tal desatino. Não o tendo feito, pôs-se a jeito e, ao calar-se, é como se tivesse subscrito a mentira...
(e acho que a falta de ética não se ficará por aqui... é que 52 partilhas desse lixo são premonição de que irá valer tudo... e é pena)

07 julho, 2017

Diário de um eleito - 18 (Um dia intenso, sem perder um minuto para mudar o Mundo)


A manhã foi uma corrida, café bebido à pressa e o jornal lido a esse mesmo ritmo. Depois foi o organizar a sala e dar uma última olhadela pelo plano da sessão. Eles, os "meus alunos", foram chegando. Essa imagem é de uma passada "aula" pois o Helder não conseguiu estar. Por troca, veio o Horta (que por ter faltado nesse dia, não aparece na fotografia). Aprendem coisas novas para que os netos não lhes façam pirraça. E o que eu lhes ensino? Tudo o que sei, embora o pretexto seja a informática. 
Netos? Alto aí, que a Maria ainda não os tem. Hoje prometi-lhe enviar-lhe um conto que já aqui contei. Passou célere o tempo...

A tarde foi uma igual corrida, embora sem interregno para coisas belas... mas a tentar fazer com que elas aconteçam...

04 julho, 2017

Título honorífico atribuído a Maria João Brito de Sousa

Na Assembleia de Freguesia da União das Freguesias de Oeiras, Paço de Arcos e Caxias foi atribuído, por unanimidade, o titulo honorífico de mérito na classe "Arte e Cultura" à Maria João*. Pedi-lhe, ao dar-lhe a notícia, que ela escolhesse um poema seu para que assinalasse, neste meu espaço, tal acontecimento. Por "maldade" mandou-me um meia-dúzia-deles e... teve que ser minha a escolha.

SONETO DO PRODUTOR EXPLORADO
(Em decassílabo heróico)
Eu, que injectei nas veias das cidades
Sentinelas de pedra e de aço puro,
Que conquistei a pulso as liberdades,
Que asfaltei com suor cada futuro,

Eu, que paguei com sangue as veleidades
Registadas na pedra, em cada muro
E sigo em frente e moldo eternidades
A partir do que engendro e não descuro,

Não mais hei-de evocar forças ausentes!
Liberto o grito preso entre os meus dentes
Que irrompe deste barro em que me sou

E arrancarei de mim quantas correntes
Me prendam à mentira, ó prepotentes
Donos do que julgais que vos não dou!

_____________________________
*Foram ainda distinguidos: na classe ARTE E CULTURA, o Arquitecto Gonçalo Ribeiro Telles; na CIDADANIA E SOLIDARIEDADE, a Associação Pombal XXI – Associação dos Moradores Bairros Pombal/ Bento de Jesus Caraça, a Associação Coração Amarelo (Delegação de Oeiras) e Edson Moreira - Projecto “MoreiraTeam Kickboxing”; na de DESPORTO, Mário Wilson

03 julho, 2017

Redacções do Rogérito (37) - "O eucalipto"

Tema da redação: "O valor e a importância do eucalipto"


«Eu gostava muito de eucaliptos pois são árvores frondosas e bem cheirosas e a dona Esmeralda que gosta de eucaliptos à brava até apanhava folhas dos eucaliptos para as meter no guarda-vestidos para a roupa ficar a cheirar a bem embora dela não guarde memória de a roupa lhe cheirar mal mesmo que passe anos e anos sem ela passar por qualquer eucaliptal.
A stora disse que se não fossem os eucaliptos não haveria livros e como eu gosto muito de livros é também por isso que eu gosto dos eucaliptos só que como nem só de livros se fazem destinos eu não gostava de ter por destino viver rodeado de eucaliptos até por que o senhor Saramago que até escreveu muitos livros um dia insurgiu-se pela Comunidade ter decidido por exemplo que 75% da superfície florestal do nosso país seria destinada à plantação de eucaliptos sem nem eu nem a stora nem a dona Esmeralda termos decidido ter assim tanto eucalipto e quem tal decidiu foi uma potência supernacional o que está muito mal pois devia ser eu a stora e a dona Esmeralda a decidir estas coisas e outras.
Descobri há pouco que o eucalipto seca tudo à sua volta o que sendo muito mau tem um lado interessante pois o senhor Ângelo Correia considera que o grande problema para o PSD hoje em dia é o vazio que o eucalipto lá do sitio está a criar à sua volta.
O mal é que o senhor Ângelo Correia está já a pensar plantar outro eucaliptal... que arda!»
Me assino
Rogérito